quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dicas Para Emular o Sega Saturn: SSF e o Yabause


Observações:

Isso aqui não é um tutorial, mas nem de longe eu encaro este texto como um guia ou tutorial. Eu apenas quero colocar algumas dicas que funcionaram comigo e pode, talvez, funcionar com o amigo leitor também, na tarefa ingrata de emular um console maravilhoso porém muito chato na emulação se comparado a todos os sistemas antigos de videogame.

Eu não me responsabilizo por danos morais, materiais, físicos, financeiros, amorosos ou psicológicos que por ventura o usuário possa ter durante esta experiência. Se você for menor de 18 anos, peça a ajuda de um responsável de maior que lhe auxilie.

A minha experiência é com o Windows 8 64 Bit, portanto neste sistema as chances das minhas dicas funcionarem é bem maior se o leitor também tiver neste sistema. Mas no geral, em tese, tudo que eu fizer aqui deveria funcionar bem em qualquer Windows.

Fim das observações.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Bank Panic: SG-1000


Lembra daqueles minigames tipo o da Mônica com tela de cristal líquido que fazia sucesso nos anos 90? Bank Panic do SG-1000 se parece muito com isso, pelo menos na mecânica básica. Usamos o direcional para cima ou baixo para atirar na esquerda, o botão 1 para atirar no meio e o 2 para atirar na direita. Sem mira livre na tela ou algo assim típico de jogos de tiro com mira.

Estamos dentro de um banco e precisamos receber o dinheiro que vem de 12 guichês. Mas assim como na vida real, a gente não sabe que tipo de pessoa pode aparecer em um guichê de banco, principalmente este que provavelmente é baseado nos bancos do velho oeste.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Gun-Nac: Nintendo


Em algum lugar na vastidão do espaço, existe uma nação composta por 7 planetas que orbitam um sol artificial…

Essa é a introdução de Gun-Nac. Um jogo de navinha para o Nintendo com o selo de programação da Compile e que além disso teve o privilégio de ser lançado em 1990.

Digo privilégio porque nesta época o Nintendo já era um hardware bem conhecido e a chance de sair um jogo que aproveitasse o máximo do console é grande.

Como a Música Ficou Grátis



O post a seguir é uma breve resenha do livro somada a minha argumentação pessoal. Portanto nem tudo que o post cita se refere ao livro, sem perder, obviamente, a intenção de resenha e divulgação da obra.

O livro aborda três pilares que se alternam entre os capítulos:

Pirataria
Gravadoras
Tecnologia do mp3

Enfim, tudo que envolve a ascensão e queda do CD, e ao mesmo tempo o surgimento e explosão do mp3 e da internet como um todo.

O autor Stephen Witt demorou quase cinco anos fazendo entrevistas com pessoas chaves destas três colunas (pirataria/gravadoras/engenheiros) pesquisando documentos, fotos e todo tipo de fonte que envolviam a indústria da música, a pirataria de som digital e a criação do mp3. Não é um livro com termos técnicos, nada disso, é de fácil leitura e aberto para todos os públicos.


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Arcadia: Arcade



Observação:
a quantidade de fichas usadas no jogo para confecção deste post será mantida em sigilo para preservar a autoestima do autor.

Embora eu tenha feito essa brincadeira aí na observação do texto, uma coisa é verdade, depois de muito tempo sem jogar um navinha eu percebi o quanto a gente enferruja e pode voltar a melhorar com um breve treino.

Arcadia é excelente neste aspecto. Eu não conhecia o jogo e como sabia do tempo que estava sem encarar um navinha de arcade e ciente das minhas habilidades básicas neste estilo de jogo, é claro que eu já estava mentalmente preparado para ser retalhado sem dó pela máquina emuladora.

Tudo Que É Ruim É Bom Para Você


O post a seguir é uma breve resenha do livro somada a minha argumentação pessoal. Portanto nem tudo que o post cita se refere ao livro, sem perder, obviamente, a intenção de resenha e divulgação da obra.

Steven Johnson no livro “Tudo Que é Ruim é Bom Para Você”, defende as mídias populares e de massa como uma forma de aprendizado. Ele foca nos Games, TV, Internet e Cinema.

Essas quatro mídias são analisadas por Steven na sua estrutura e complexidade no decorrer dos anos, e a conclusão do autor é, ao contrário do que muitos críticos dizem, que a cultura de massa está ficando cada vez mais complexa e que até mesmo o produto ruim de hoje é melhor do que o ruim de tempos atrás.