MeMe Gamer: O Que Você Jogou Em 2016?


Esse texto faz parte do Meme "O Que Você Jogou Em 2016?". Uma iniciativa do Marvox, do blog Marvox Brasil.

2016 foi um ano que tive contato com vários jogos, indo dos que eu conhecia e rejoguei aos que me surpreenderam e fiz questão de escrever sobre eles aqui. Quase todos receberam um post. E como este blog começou este ano (embora eu tenha começado com blog´s em 2014), todos os jogos aqui publicados com a data deste ano, obviamente são os games que joguei em 2016. Mas não foi "só" isso. Existem jogos que ficaram de fora.

São games que eu rejoguei simplesmente para relembrar e manter a tradição (alguns títulos eu sempre jogo todos os anos) ou de outros, que eu simplesmente não publiquei por falta de tempo ou porque eu não gostei de alguma coisa do jogo. De toda essa salada de jogos que não entraram no blog, eu destaco alguns. E também destaco outros, não todos, que receberam um post por aqui este ano.


O Que Você Jogou Em 2016?
. . . . .


Dos que não foram publicados

Eu tentei jogar no Mega Drive um jogo visualmente interessante chamado Devil Hunter Yohko. É um plataforma. Não sei dizer ao certo o que eu não gostei dele, mas um fator que foi fundamental na desistência foi o seu sistema de colisão e jogabilidade duras, além de uma primeira fase relativamente difícil, na verdade difícil justamente pelos controles duros. Mas no geral, o game me chamou bastante atenção, inclusive pelo sistema de ataque no qual a guerreira pode carregar o tiro na forma de uma "bolha de sabão" que a envolve. E esta mesma bolha pode ser jogada na direção dos oponentes como se fosse um... "nunchaku" ou algo assim, enfim, é um jogo que eu acabei desistindo mas eu sei que voltarei nele em breve, com mais calma e atenção. O jogo tem aquela "química" de jogo bom, mas também possui uns probleminhas que me afastaram dele. Portanto, permanece a dúvida se é um game que vale ou não vale à pena.



Do outro lado da moeda eu indico ao amigo leitor um game excelente de Atari chamado Snoopy And The Red Baron. Ele é graficamente lindo para o sistema. Sabe aquela ideia ou frase pronta de que "nos jogos Atari é tudo quadradinho" e o desenho da capa, o label, não tem relação nenhuma com o jogo pela diferença das imagens? Pois é, em Snoopy isso tudo cai por terra. O jogo é bonito, tem um pano de fundo histórico que remete ao Barão Vermelho da primeira guerra mundial e além disso, possui uma jogabilidade nota 100.



Surpresa total no GBC. Project S-11 é um shooter simples, mas ao mesmo tempo surpreendente pela excelente música, acima da média no GBC, que chega a rivalizar com alguns jogos de navinha do Mega Drive neste quesito. A movimentação é leve, suave, não tem aqueles problemas de taxa de quadros que o GBC apresenta quando tenta oferecer deslizamento de tela intensos. O que é bem perceptível em jogos de plataforma por exemplo. Nada disso, a tela flui lindamente, mas é uma fluidez que até parece um console de mesa neste ponto, é incrível. Graficamente ele é padrão, oferece uma histórinha simples mas vale cada segundo de jogatina. Eu duvido que irei achar outro jogo de navinha dentro do GBC tão bom quanto ele.



Fire Shark do Mega Drive, é um navinha interessante e ao mesmo tempo diplomático. Não é ruim em nada mas também não é um jogo que entre para os melhores que joguei no console. Eu digo interessante porque ele chega de mansinho e te conquista, mesmo sem ser top em gráficos ou som, e o fato de ser bem feito e possuir um "fator vício" elevado, no estilo Tetris, já merece ficar entre os games de destaque da categoria. É o jogo que você perde mas faz de tudo para continuar, ele não é frustrante, embora tenha a dificuldade que é normal em qualquer jogo de navinha de respeito. Em outras palavras. Ele se destaca, mas não está na elite do gênero.




O próximo é um jogo bem interessante do Nintendo 64, tanto na história quanto no gameplay. Eu não dei continuidade nele simplesmente por gosto pessoal. O game tem uma forte pegada dos jogos de tiro em primeira pessoa, como se fosse um Call Of Duty ou Counter Strike, mas com tanques de guerra. Coisas como defender uma área e raptar a "bandeira" do time inimigo aparecem aqui em Battletanx. E isso no modo campanha mesmo.

A jogabilidade e os gráficos são ótimos para quem gosta do gênero e obviamente sabe que está em um console, não no PC. Controlamos um tanque de guerra e nosso objetivo é resgatar... mulheres. Sim, e isso é muito bem explicado dentro do enredo do jogo.

Um vírus apareceu e contaminou toda a população da Terra, 99,9% das vítimas não sobreviveram, mas existe um detalhe incrível nisso tudo. O vírus é apenas nocivo ao organismo feminino, isto é, como quase toda população feminina foi devastada, os governos de todos os países impuseram a força uma quarentena para as sobreviventes. Mulheres eram levadas pelo governo para um local secreto e os homens começaram a se rebelar.

Países que ficaram praticamente sem a parcela feminina de sua população, começaram a usar seus exércitos e atacar vizinhos que ainda possuíam fêmeas. Parece vulgar mas faz todo sentido. Um país só de homens está fadado a desaparecer e portanto neste caso fazer guerra era uma questão de sobrevivência da espécie e do país em questão.

No jogo estamos dentro de uma Nova Iorque completamente devastada pelas guerras e por milícias que se ergueram contra o governo para recuperar suas esposas e filhas. O nosso heroi é um desses renegados e tenta a todo custo resgatar Madison, sua futura esposa. O saldo nos EUA ficou mais ou menos assim depois das guerras e do vírus.

50.000.000 de homens
50.000 mulheres
Isto é, uma mulher para cada 1000 homens proporcionalmente. Lembrando que a população americana em 2001, época do jogo, era de 280 milhões de pessoas e aproximadamente metade disso mulheres.

O jogo foi desenvolvido pela 3DO e publicado pela mesma em 1998 para o Nintendo 64. E os acontecimentos trágicos do jogo se passam nos primeiros meses de 2001, isto é, inclusive em Nova Iorque, cidade central do game. Ironicamente, meses que antecedem o 11 de Setembro da vida real.

Os rebeldes do lado do herói querem recuperar o país, reconstruindo-o e também resgatar suas garotas e tentar voltar a normalidade. A semelhança desse desastre com a falta de recursos naturais pode vir a mente. Mas aqui a coisa é bem pior. Metade da população foi praticamente extinta, sobrando poucas mulheres. Isso vai causar a curto prazo um desequilíbrio em todas as nações do mundo, inclusive com a extinção de boa parte delas.

É por isso que governos em busca de seus interesses internos optaram pela guerra. Gostei muito da criatividade do enredo e do jogo nas suas mecânicas, é bem feito, embora lento para carregar as telas de ação. O lado negativo é que ele acaba se trasnformando em um "atira-atira" bem intenso no estilo dos CS´s das Lan Houses dos anos 90. Eu nunca curti esse estilo de jogo nem essa loucura de atirar em tudo ao mesmo tempo. Por isso eu indico muito para quem gosta do estilo, mas esse jogo não é para mim.




  

O Nintendo 64 nos brinda com um jogo de luta bem no estilo de Mortal Kombat, incluindo os fatalities que aqui é chamado de "executions". O que impressiona no game é a qualidade dos personagens e sua física. Partes da armadura e movimentos de correntes de armas de alguns personagens são animados de forma bem realista, e isso é só um exemplo. Aqui o Nintendo 64 deixou de lado apenas as imagens borradas de texturas de baixa qualidade que aparecem em alguns dos seus jogos e fez o oposto, fez um belo trabalho gráfico e físico de gameplay. O título também aparece para máquinas arcade, que obviamente é muito mais bonito visualmente, mas o Nintendo 64 não fez feio com esta versão. O nome do jogo: Mace The Dark Age.




O Que Você Jogou Em 2016?
. . . . .



Dos que foram publicados

Alguns jogos me surpreenderam este ano, tanto que eu fiz questão de escrever sobre eles aqui no blog. Super Princess Peach é um deles. Um game com todas as qualidades de um "jogo do Mario" só que desta vez estamos jogando com a princesa, realmente a princesa, já que sua aparição em Super Mario Bros 2 do NES não foi de fato legítima. Todos conhecem a história do game que é um jogo japonês (Doki Doki Panic) que emprestou seus personagens para a "turma do Mario" ser vendida no Ocidente. A princesa brilhou no Nintendo DS.



Também tive a grata surpresa de jogar e conhecer melhor um game para Sega CD, quem diria que o rei dos Full Motion Videos poderia oferecer algo diferente e bom no estilo 2D. E foi o que aconteceu com Cyborg 009. Uma franquia que nasceu dos antigos animes da década de sessenta e acabou dando muito certo no console/periférico de disco da Sega.



E por último o game Danger Girls do Playstation. Um jogo bem no estilo Syphon Filter mas com muito humor, copiando a premissa de roteiro do filme "As Panteras", onde temos três gostosas lutando contra o crime. Não é um jogo sério, é como um filme da "sessão da tarde", mas com bons elementos de espionagem aliada a uma boa jogabilidade. Um jogo relativamente desconhecido do Playstation e que merece ser mais jogado.



Eu tenho jogado vários títulos que nunca tive acesso nos anos 80 e 90, e isso é ótimo. Por outro lado a minha lista de games para zerar não para de crescer e quem mais sofre com isso são exatamente os clássicos. Jogos como Super Mario 3, a trilogia inicial de Sonic a Lara no Playstation... todos jogos que faz um bom tempo que não rejogo, e até mesmo iniciar a série Final Fantasy que nunca joguei. Entre outros "clássicos dos clássicos" que acabam ficando de fora simplesmente porque meu tempo livre impõe uma escolha. Ou eu jogo os "manjados" ou eu vou atrás de coisas novas.


O Que Você Jogou Em 2016?
. . . . .



Só jogo aquilo que realmente me atrai de alguma forma, o blog é um reflexo daquilo que eu estou jogando recentemente, e por isso, tento equilibrar meu desejo em jogar até o fim games que eu nunca poderia ter acesso no passado, apenas babando em fotos de baixa resolução das amadas revistas de videogame dos anos 90, e o meu amor e carinho pelas já consagradas franquias que sempre temos que voltar, para manter a tradição de pelo menos uma vez ao ano dar uma jogadinha naqueles títulos que são responsáveis pelo desenvolvimento e história dos videogames.



Peço gentilmente ao amigo leitor que dê uma olhadinha nos outros canais da rede, blogs, cast, youtube etc... que também participam desta iniciativa do Marvox que existe desde 2011. Agradeço os leitores do blog U-8Bits. De coração mesmo! Muito Obrigado!


  • Arquivos do Woo:
http://www.arquivosdowoo.com.br/2016/12/meme-o-que-eu-joguei-em-2016.html
  • Gamer Caduco
https://gamercaduco.com/2016/12/27/meme-o-que-voce-jogou-em-2016-oqvj2016/
  • Gamerniaco
https://gamerniaco.wordpress.com/2017/01/02/meme-gamer-o-que-voce-jogou-em-2016/
  • Game Genius:
http://www.gamegenius.com.br/2017/01/meme-o-que-eu-joguei-em-2016.html
https://marvoxbrasil.wordpress.com/2016/12/31/meme-gamer-o-que-voce-jogou-em-2016/
  • Point Games Brasil
http://pointgamesbra.blogspot.com.br/2016/12/meme-gamer-o-que-joguei-em-2016.html
  • QG Master
http://qgmaster.blogspot.com.br/2016/12/meme-gamer-o-que-voce-jogou-em-2016.html

Comentários

  1. Excelente post! Foi um ano com ótimas postagens.


    Abc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Scant!
      Um grande abraço e feliz ano novo!

      Excluir
  2. Muito bom. O Devil Hunter Yohko eu achei lindo, ia fazer uma live, mas também não curti a jogabilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele engana um pouco né? Vou tentar jogar ele mas com mais calma e já sabendo dos probleminhas. Eu acho que só valeria uma Live se você dominar ele antes e não tentar ir descobrindo tudo ao vivo. Digo isso porque pra mimk ele foi um pouco frustrante, só com mais treino mesmo para avançar nele.
      Feliz ano novo Leandro!

      Excluir
  3. Quando chega esses posts do Meme eu costumo querer comentar todos os jogos mencionados, então lá vou eu tomar seu tempo com um comentário grande... kkk.

    Não publicados

    Devil Hunter Yohko: Desconheço, mas não me interessou não.
    Snoopy And The Red Baron: JOGAAAAAAAAAAAAAÇO, dispensa comentários!
    Project S-11: Esse parece legal, já entrou na lista das curiosidades! rs
    Fire Shark: Joguei pouco, nunca fui muito longe, sempre me frustrou bastante também.
    Battletanx: Que premissa maluca, mas realmente faz sentido. Eu só vou passar pq não me interesso muito por shooters em primeira pessoa no geral.
    Mace The Dark Age: Nossa, eu joguei isso num passado bem distante, mas nem lembrava que existia! Vou até colocar na lista aqui pra rejogar!

    Publicados

    Super Princess Peach: Ainda vou jogar este!
    Cyborg 009: Tá na lista pra conhecer já!
    Danger Girls: Esse eu vou passar longe, mas pq eu sou xarope mesmo! kkkkkkkkk

    Super Mario 3: épico demais!
    Trilogia inicial de Sonic: mais épico ainda (desculpa, Nintendo)!
    Lara no Playstation: não gosto!

    Legal que o blog já retratou muito do que foi jogado ao longo do ano. Eu tenho o costume de abrir meus arquivos e botar alguns "bullets" sobre o jogo que acabei de jogar, mas uns 15% das vezes vira um texto no Gamer Caduco! kkkkkkkkkk
    Tô com uma porção de rascunhos e uma falta de tempo (ou prioridade) ainda maior. Bom, vc vai ver o tamanho da minha lista de 2016 muito em breve.
    Falou Ulisses! Feliz 2017 pra vc! o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cadu jogue esse Project S-11, é muito bom mesmo! O Cyborg 009 dá trabalho pra achar a ISO certa e imagino que comprar o game seja mais complicado ainda. Eu baixei no site Planet Emu, muito bom.
      Não gosta da Lara? O pessoal que não curte ela no Play geralmente é devido a jogabilidade, concordo que é meio estranha.
      Opa, esperando sua lista Cadu, feliz ano novo!

      Excluir
  4. Esse Devil Hunter Yohko eu esbarrei um dia desses, é bem na linha dos jogos baseados nos monstros fólcloricos tipo Kenseiden do Master. Vou jogar alguns desses títulos listados e mais outros que não apareceram aí como Ane-san. Agora tô tentando zerar o Alien Soldier, difícil pra caraco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz tempo que estou de olho em Alien Soldier, desde que vi um gameplay de um canal do youtube eu fiquei com vontade de trazer ele aqui. Devil hunter vou tentar com mais calma, mas é o tipo de jogo que ou eu vou gostar muito ou desprezar totalmente kkkkkkkkkk, só testando pra saber.
      Feliz ano novo Doc!

      Excluir
  5. Esse da Peach parece bem legalzinho, quero jogar qualquer dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito dele. É doce, macio e saboroso como um pêssego deve ser...digo, um jogo da Peach deve ser.
      Feliz ano novo Duran!

      Excluir
  6. Que massa! Jogos underground a gente vê por aqui!!!
    O único que eu cheguei a fechar dos citados foi o Super Princess Peach, que assim como Captain Toad, do Wii U, é um dos melhores spin-offs da série Mario.

    Irmão, eu também me encontro nesse dilema. Tenho jogos novos, clássicos, jogos para rejogar ou os que eu quero zerar 100% e não sei nem onde começar. 2016 foi um ano consideravelmente bastante produtivo para a minha área gamer, mas uma coisa eu notei com isso, deixei duas paixões minhas de lado para poder dedicar tempo aos jogos: música e quadrinhos.

    Esse ano estou tentando zerar os games tentando fugir da paranóia dos 100%. O foda é que alguns jogos parecem que querem que você seja escravo dele para toda a vida. Super Smash Bros. do Wii U é um exemplo de um game com tanta coisa pra fazer e desbloquear que se você não tiver uma mente aberta para conhecer coisas novas, você vai ficar preso nele para sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jules eu ultimamente jogo com o objetivo de zerar e não fazer 100% de tudo que o jogo oferece, tipo fases secretas ou coisas escondidas, simplesmente não dá para se dedicar com tanta coisa para jogar.
      Mas isso é um extra que alguns jogos colocam para dar uma valorizada e deixar o game mais vantajoso com um replay melhor!
      Quem pode se dedicar vai aproveitar e quem não pode faz como eu aprecia o principal kkkkkkkk!
      Abração Jules!!!

      Excluir
  7. Nossa, o enredo do Battletanx me pareceu ótimo, uma pena que seja um tiroteio desenfreado, é o tipo de coisa que me afasta.


    Olha, da sua lista eu só conhecia o Cyborg 009. Anotei os nomes aqui para jogar depois.

    Gostei bastante do seu blg, Ulisses. Favoritei aqui, to vendo que vou descobrir muitos jogos bons por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Diogo seja bem vindo!
      Quando eu li seu comentário eu comecei a rir no Cyborg kkkkkk digo isso porque você só conhecia exatamente o mais desconhecido WOW!
      Se a história de Battletanz fosse de um jogo de ação plataforma ou algo assim, seria muito legal.
      Abração Diogo!

      Excluir
  8. Não conheço a maioria! Os jogos de navinha devem ser bons, afinal não existe jogo nesse estilo que seja ruim! Mace The Dark Age joguei a pouco tempo e achei legalzinho, considerando o que tem do gênero para o console está entre os melhores os 10. Será que tem 10 jogos de luta bons no N64? Acho difícil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema do N64 para jogos de lutas nem são os jogos em si, a coisa começa a complicar pelo controle mesmo. O controle é fantástico para outros tipos de jogos, inclusive foi um marco do design com o analógico mas... não foi pensado para jogos de luta.
      Outro ponto mas aí é bem pessoal mesmo é que eu preciso a ação em 2D para jogos de luta, ou 2,5D, acho que Tekken foi um dos poucos que eu gostei bastante e era 3D.
      Abração FR!

      Excluir
  9. Muito boa essa lista, várias dicas do que jogar. Valeu mesmo pela sua participação no Meme Gamer!

    Devil Hunter Yohko - o Mega Drive tem uns jogos muito relíquia, uma vez filtrando encontrei tanta coisa doida, vale a pena se aventurar. E esse jogo quando vi, acho que foi coisa do cenário, me lembrou um pouco Kenseiden, mas algo voltado bem para o Mega Drive mesmo.

    Snoopy And The Red Baron - Curto com todas as minhas forças, tenho o cartucho até hoje e sempre que quero jogar algo de Atari, começo por ele.

    Battletanx e Mace The Dark Age - pude conhecê-los por meio de um amigo que emprestou os cartuchos, ele tinha os dois jogos, joguei bastante e achava divertido. O N64 não foi forte para jogos de luta, uma pena, mas o que tinha dava gosto de chegar ao final.

    Super Princess Peach - Ouvia falar tanto desse jogo, inclusive nas revistas e achei interessante ver esses personagens seguindo aventura solo. Mesmo que ele já tenha mais de 10 anos, possui uma qualidade muito interessante. Envelheceu muito bem, vale a pena conhecer mesmo.

    Danger Girls - Você disse, estilo Syphon Filter? heheh, já vi que preciso dar uma passada no PS1 a qualquer momento.

    Falow Ulisses, grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Marvox, foi um prazer. Gostei muito de participar deste MeMe e pode contar comigo para os próximos!
      Acho que o da Princesa Peach e o Danger Girls foram os que mais me surpreenderam desta lista!
      Abração!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

50 Jogos de Atari Que Mais Gosto de Jogar

Dicas Para Emular o Sega Saturn: SSF e o Yabause