Jungle Hunt: ColecoVision


Pensou em Jungle Hunt, pensou no Atari. Não tem jeito, essa é a referência mais próxima e por isso mesmo a minha, e provavelmente, a sua referência também amigo leitor. Acredito que o jogador americano dos anos 80 se sentia do mesmo jeito. Apesar do ColecoVision ser uma máquina que veio bem depois do Atari, a base instalada deste era absurdamente superior ao console da Coleco.

Jungle Hunt saiu para alguns computadores da época e nasceu para arcades. Esta versão do ColecoVision que joguei é uma adaptação dos arcades e não uma releitura do Atari. E foi exatamente por este motivo que eu gostei e também estranhei algumas coisas.

Em Jungle Hunt nossa amiga, mulher, parceira e namorada, é raptada por dois canibais selvagens durante um safari na selva. Claro que nós, agora na pele do personagem principal, devemos resgatar a garota. Vamos ter que pular em cipós, atravessar a nado um rio caudaloso e cheio de crocodilos pixelizados, subir um morro inclinado pulando e desviando de rochedos que se desprendem do nada até, enfim, chegar no local onde nossa garota, loirinha, linda, está presa em sérios apuros.



Os canibais querem comê-la literalmente (esta é uma situação que seja literal ou não, é uma péssima notícia para o nosso herói), com direito a um caldeirão em chamas cheio de água, provavelmente pré temperada com condimentos e temperos da região.

A garota está amarrada logo acima do tacho em chamas, e quanto mais o tempo passa, mais próximo ela fica do seu destino final. O caldeirão fervilhante. É por este motivo que o nosso game é por tempo.

Temos 5000 pontos regressivos para chegar nela. Como esses pontos caem de 10 em 10, são na verdade 500 segundos de jogo, isto é, 8 minutos e 20 segundos. Bom, pelo menos foi isso que deu a entender, mas a coisa complica um pouco.

De fato o relógio na parte superior da tela regride segundo a segundo, mas na fase final, a do caldeirão e da garota, o relógio dispara na mesma proporção e ritmo do som dos canibais selvagens. O tempo dobra de velocidade, o relógio começa a regredir a 1/2 segundo por batida.

Eu sou bem distraído com esses detalhes, sinceramente eu não medi ou tentei lembrar se no Atari é assim também. portanto essa contagem direta de 8 minutos que fiz não é real devido a essa distorção da fase final.

Outra curiosidade é que na primeira parte, a dos cipós, se a gente deixar o personagem parado, na boa só balançando, a máquina conta exatos 35 segundos e derruba a gente, lá se foi uma vida. Típica coisa de arcades que sempre tinham algum "sisteminha" para evitar que alguém enrolasse na frente da tela.







O ColecoVision é incrível. No Atari a garota não aparece até que passemos pelos dois canibais, que a propósito, aparecem um de cada vez por limitações de memória, sem falar que não existe um desenho de caldeirão, não tem nada, apenas ela sozinha te esperando na tela.

Aqui no Coleco, temos simultaneamente em tela a garota acima do tacho de fogo, os dois canibais selvagens e você. Um show de grafismo praticamente igual ao arcade, a máquina suprema de jogos naqueles tempos.

Mas será que o Atari apanha em todos os quesitos? Bom… a resposta é não. Quando o jogo chegou no 2600, o game sofreu algumas modificações que ficaram tão boas que superaram o poderoso arcade, e por tabela, superam a versão do ColecoVision. Por exemplo.

Os efeitos sonoros
  • Quando estamos na água o efeito sonoro dentro dela no ColecoVision é um sinal agudo repetitivo de três batidas. Ficou muito chato e estridente. No Atari, o som faz um “turum, turum” bem mais grave e gostoso de ouvir, lembra os batimentos cardíacos. Agora vem a coisa mais chata. O som da última fase com os canibais no Atari é um som super clássico e reconhecido por todos que jogaram na época. “Tan… tan,tan,tan, …..Tan,tan,tan, …… Tan,tan,tan”, é algo sublime e grave, lembrando um som ritmado de tribo e tambores. Mas no ColecoVision, assim como no arcade, é um som bem estranho e com uns agudos dissonantes que não trazem nem de longe a mesma sensação do console batido e velhinho de 1977 da Atari. Mas essas diferenças não acabam aqui.

O cipó não curva!
  • Tanto no arcade, como no “fraquinho” Atari, os cipós da primeira fase se curvam com o balanço eterno e ritmado da selva. Mas por algum motivo que eu não consigo se quer cogitar, os cipós no ColecoVision são retos e duros como tábuas de madeira. Ficou muito estranho e artificial. O som deles indo e vindo é bem legal mas… um cipó ser reto e não curvar, coisa que até o Atari faz, é algo que tira pontos desta versão. O que foi que deu errado aqui eu não sei! Tudo bem, o clássico Pitfall também possui cipós retos, mas em Jungle Hunt são vários cipós em sequência, o "problema" fica muito mais explícito do que em Pitfall.

No ColecoVision...


e aqui, no Atari 2600





No geral a versão de Jungle Hunt para ColecoVision é excelente. Gráficos de arcade e o bom esquema de selecionar no controle 3 níveis de dificuldade, além da vantagem de poder pausar o jogo, uma característica muito interessante que o ColecoVision já oferecia antes mesmo de chegar o Nintendo ou Master System, e falando em Master System quero frisar que o pause do ColecoVision era no controle. Por que a Sega não fez isso?

O ColecoVision de certo modo me traz uma sensação de “Neo Geo” dos anos 80. Porque ele era um console bem superior ao Atari, trazia jogos de arcade com um grafismo muitíssimo próximo das lemdárias máquinas, era caro e vendeu pouco em relação ao 2600. Existem muitos elementos do ColecoVision que remetem por analogia ao Neo Geo.

edit: Na verdade o ColecoVision não era caro. Eu fiz confusão com o preço do Atari 5200, que saiu meses depois. Este sim, bem mais caro.

Jungle Hunt é um jogo simples. Estrategicamente simples eu quero dizer. Pac Man por exemplo. É um jogo que visualmente é muito mais simples do que Jungle Hunt, mas estrategicamente bem mais denso e elaborado. E isso é bizarro pois Jungle Hunt possui um final, telas e cenários diferentes e uma estrutura que, em tese, lembra um pouco os games da geração posterior. Como a presença de um roteiro, por exemplo.

Se o amigo leitor nunca jogou Jungle Hunt eu recomendo os dois, tanto o de Atari quanto este aqui, pois ambos possuem bons motivos para se gastar uns minutinhos.


Comentários

  1. Jungle Hunt era muito divertido, lembro de jogá-lo no emulador de 2600 idos anos 2000. Não esperava ver a versão Coleco logo de um dos medalhões do Atari. Esse sistema tem algum exclusivo maneiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou começando a descobrir os jogos dele Doc. Nem por emulação eu tinha pegado para conhecer a fundo o sistema, mas com certeza é um ótimo sistema. Aquattack e Avenger são dois games que estou gostando muito. O ColecoVision está me surpreendendo tanto nos jogos "de Atari" que ele faz bem melhor, quanto nos jogos quase NES, como Antartic Adventure que ele possui e roda muito bem!
      Valeu Doc, e assim que eu descobrir e jogar mais eu vou atualizando aqui no blog!

      Excluir
  2. Impressionante a diferença gráfica para o 2600! Cheguei a jogar um pouco enquanto eu fazia a jornada Atari 2600, mas não me envolvi tanto. Mesmo assim me lembro que o visual e a movimentação são muito boas para o Atari. Me diga uma coisa Ulisses, a emulação co Coleco é boa igual à de 2600 ou é falhada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou suspeito pra falar mas eu gosto muito da movimentação do Atari também. Um dos pontos frágeis dos sistemas antigos é justamente o deslizamento de tela nos jogos. Tanto que a maioria deles é tela parada com transição abrupta. Mas em Jungle Hunt o deslizamento é muito bom!
      Os emuladores que uso no Colecovision são ótimos.
      Um deles é o famoso BlueMSX. Que além do MSX ele emula Colecovision também. O outro é uma grata surpresa. É um emulador excelente e pouco conhecido. O nome dele é PhoenixJag. Ele emula perfeitamente ColecoVision, Atari Jaguar e 3DO.
      Vale à pena dar uma pesquisada se você quiser conhecer melhor os jogos destes consoles.
      Grande abraço Lucas!

      Excluir
    2. Muito obrigado pelas dicas Ulisses! Vou atrás desses. Sempre quis jogar knightmare de msx e com esse emulador bluemsx que você sugeriu acho que finalmente vou conseguir. Grande abraço!

      Excluir
  3. Nunca tive a oportunidade de jogar Colecovision Ulisses, apesar de conhecer ele muito bem e já ter visto pessoalmente. Mas é algo que passa longe de mim até hoje e quem sabe eu joguei o Jungle Hunt para me divertir. Alias se tiver mais dicas de jogos do ColecoVision me informe, estou instalando alguns emuladores no meu PC para rodar, ontem mesmo instalei e fiz finalmente funcionar o Pc Engine para jogar o Castlevania =) Excelente texto Ulisses, grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Colecovision é um excelente console Ivo!
      Dê uma olhada no comentário do Lucas, eu citei dois emuladores muito bons.
      O PCEngine é amor à primeira jogatina kkkkkkkk que sisteminha fera! Ele tem muitos jogos desconhecidos por nós.
      Obrigado por comentar, Ivo. Que bom que gostou do texto, grande abraço!

      Excluir
  4. o controle do atari era muito duro e ainda dava medo de forçar demais e quebrar.

    lembrei de pitfall.

    abç!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Scant! Se você encontrar algum bug ou problema de navegação, avisa a gente aí nos comentários. ^_^
      Eu usei muito mais o controle do Dactar (clone Atari) e do Supergame CCE do que do Atari que joguei antes, mas joguei menos. No Atari depende da pegada. Tem gente que segura firme como se fosse cabo de panela, eu travo o stick entre o indicador e o polegar, é mais suave. Mas uma coisa é certa, o controle do Atari fazia uns barulinhos que dava mesmo a impressão de quebra.
      Valeu pelo retorno Scant!

      Excluir
  5. Rapaz, Jungle Hunt! Eu lembro o quão empolgado fiquei com esse jogo a primeira vez que joguei no Atari 2600! Esse jogo é genial! Eu "escutei" os sons tribais dos canibais malucos quando vc os descreveu no seu texto! hahahaha! E eu ri, claro!
    A versão de Colecovision eu nunca joguei, mas tinha visto em algum blog faz um bom tempo, fiquei curioso, falei que ia jogar eeeeeeeeee...... claro que não joguei!
    Pena que a parte sonora deixa a desejar, tinha tudo pra ser um jogo perfeito!
    E nem vou falar sobre o Pause do Master... do lado do Reset... e vc já jogando Alex Kidd aperta no desespero pra selecionar um item e... bem... tragédia anunciada! PORRA SEGA!!!!!
    Muito bom o post, Ulisses!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os sons tribais de Jungle Hunt são marcantes, quem jogou não esquece! É legal dar uma emulada no ColecoVision bem rapidinho, Cadu. Você vai sentir a diferença na hora... mas o jogo da Coleco é bom também. Claro que pela popularidade o Atari acaba servindo como referência, e eu até gosto disso, fica mais fácil de se situar. A SEGA apaixonando e traumatizando fãs desde 1986 kkkkkkk mas k entre nós, eu acho o Master System um console lindo. As paredes retas dele me lembra o design do avião supersonico americano black bird. Pode ser um exagero, mas eu acho o design do Master System um tesão!
      Obrigado pela visita, Cadu. Abração!

      Excluir

Postar um comentário

Por enquanto todos os comentários serão moderados. Em breve o blog voltará ao normal.