O Que Você Jogou Em 2017?


O meme "o que você jogou?", que acontece todos os anos, é uma iniciativa do blog Marvox Brasil. Esse meme também pode ser entendido como uma retrospectiva. E dentro desta ideia eu realcei os jogos que joguei mas que não foram postados. Os que postei estão na "linha do tempo" do blog, não vejo porque resgatá-los aqui. É por isso que falo em um "tipo" de retrospectiva e não uma "real" retrospectiva no sentido mais comum da palavra. Sempre escrevo sobre um jogo que estou jogando e se foi um game que joguei nas antigas, eu rejogo para que o texto tenha sempre um ar de "pão fresquinho". É assim que sai a "fornada" de cada jogo resenhado aqui. 

Mas os jogos que vou apresentar são alguns torrada velha que eu joguei este ano e por diversos motivos acabaram não sendo postados. Portanto o total de tudo que joguei este ano é a soma de posts publicados em 2017 + os jogos que eu apresento aqui.

E abrindo o "pacote de pão" eu lembro de Formula One do Nintendo. Um jogo de corrida que vai bem além do correr. É preciso administrar recursos, comprar e vender peças, ir galgando status e muitas outras coisas para poder competir em outras pistas e traçar novas rotas. É quase um simulador de piloto. É diferente e surpreende por ser na plataforma 8bit, uma plataforma que tem uma enorme dificuldade em entregar coisas boas no que diz respeito à corrida e jogos de luta. Se você quiser jogá-lo vai precisar de tempo e paciência. Mas é um ótimo game.




Mais uma torrada das boas. Um joguinho estranho que eu não conhecia. Eu joguei ele e gostei da mecânica. Você controla o líder da antiga União Soviética, o Gorbachev, e precisa entrar em uma fábrica para desviar medicamentos, comida e até um Game Gear para uma população que o espera nos portões, grata e faminta. É estranho, bizarro e político, mas é um bom jogo, talvez eu rejogue de verdade para efetivamente fazer um post por aqui. É um jogo de Game Gear. Seu nome. Gambare Gorby.


Ainda no Game Gear eu joguei Kenyuu Densetsu Yaiba, que é um excelente jogo plataforma para o sistema. O jogo é em japonês. Eu uso emulador mas jamais, em hipótese alguma uso save state, quem usa ok, cada um define o melhor jeito de jogar, mas eu pessoalmente não posso usar, é como se eu jogasse no lixo a experiência do jogo real, o timing real do game, exceto se eu fizer isso justamente em telas de password, que são "pausas naturais" do jogo. Mas mesmo assim eu uso emulador e anoto passwords em um notepad. Por isso rejogar Kenyuu Densetsu Yaiba me causou um pouco de cansaço. Eu travei em alguns momentos, especialmente pelo fato do idioma não ser o inglês, e isso atrapalha muito qualquer jogador ocidental.


Pretty Fighters é um jogo japonês de luta só com garotas para o Super Famicom. Pretty Fighters não foi por esse lado que o amigo leitor talvez esteja pensando. Pelo menos quando eu vi o jogo nas páginas em PDF da Ação Games número 86, de cara pensei que fosse mais um jogo pervertido japonês. Não é o caso. Existem alguns golpes mais sensuais como o de usar a bunda ao se jogar, mas isso é o de menos, chega a ser até singelo e previsível. O que me desmotivou a jogar Pretty Fighters foi seu sistema de combate.




A questão é que eu não entendi como funciona o sistema de defesa e ataques, também não me adaptei bem com alguns golpes e não entendi exatamente porque algumas personagens mal te encostam descontando muita energia mas quando você descamba um monte de chutes, fortes diga-se de passagem, a barra de energia do oponente quase não mexe.
A máquina tem o dom de atacar se defendendo!? Eu não sei fazer isso, eu não me dei bem com este jogo de luta. E olha que a movimentação e jogabilidades são boas, nada a reclamar. Por exemplo. Tem golpes que exigem uma “meia lua” mais dois botões. Sendo um de “ombro” associado a um X ou Y, eu não me imagino fazendo esse malabarismo todo, e tendo que estar a média distância da oponente para no fim… descontar pouca energia se comparada a reação da adversária. Não me refiro a combos… os golpes simples e banais mesmo, parece que não rende!
Mas eu gostei da premissa do jogo, do estilo visual dos cenários e golpes. Por isso eu indico a outro leitor e jogador. Vai que você, amigo leitor, se encontre na estrutura de luta de forma a saber jogar melhor do que eu. Eu vejo potencial no jogo e com certeza ainda volto nele, quem sabe sai um post.

True Lies possui muitas características preliminares que todo jogo ruim possui, ou pelo menos para não ser tão exagerado, True Lies possui algumas “pistas” que todo gamer já reconhece que “ali vem bomba!”.
  • True Lies é jogo baseado em filme
  • jogo com artista famoso como personagem principal
  • Jogo com a participação da LJN… que tem má fama por apresentar jogos ruins. Não sei se a fama faz sentido mas ela existe
  • Jogo com tela de intro bem “basicona”, bicolor, tipo tela de Nintendo só que rodando em um Super Nintendo
  • Jogo sem introdução sobre nada, ao apertar start apenas aparece uma imagem de baixa resolução (baixíssima) retirada do filme e traz um pequeno texto embaixo replicando uma das falas do filme, eu imagino...

Eu sei que isso tudo ou algumas dessas coisas não são regra infalível de jogo ruim, mas é preciso concordar que temos muitos jogos péssimos que seguem algumas dessas características ou todas elas. Porém ao apertar start eu tive a última “pista” de que sim, eu estava prestes a começar a jogar um daqueles jogos mal feitos, caça niqueis que sugam até a última gota de sangue do nome de uma marca que está na mídia devido ao lançamento de um filme ou algo assim.

Ao apertar start o ícone indicador que fica ao lado e que possui a imagem de uma granada… explode para confirmar a ação. Explode para começar, explode para entrar em options ou para inserir o password. Mais excêntrico impossível. “Ok, vamos testar essa merda”, eu pensei.

True Lies é um jogo de tiro/ação com visual que lembra bastante Hot Line Miami, o jogo de PC que fez relativo sucesso. É tudo visto de cima. Possui um trabalho de pixel muito bem feito, detalhes de roupas, lojas, personagens e até o chão e texturas foram feitas com esmero e cuidado.
Esse tipo de coisa é perceptível já na primeira tela de jogo in game, são detalhes na beleza da pixel art do game que demonstram cuidado preciso, tanto do design como das fases. Eu fiquei um pouco atordoado com aquilo.
É como se você passeando feliz pelo parque pisasse em algo pastoso e liso, e já desanimado sabendo que teria que limpar aquilo antes que os efeitos do material se espalhassem pelo ar e seu tênis ficasse sem uso, você percebe que era apenas... sorvete. Uma grata surpresa.



Quem diria que um jogo com fotos de baixa resolução e nenhuma intro, o que demonstra um certo desleixo, (afinal estamos no Super Nintendo, um console poderoso para fazer belas introduções), fosse se transformar em algo bem diferente ao começar a partida.
E tem mais, o principal, a jogabilidade, estava de acordo, estava ok, como se fosse um belo jogo de arcade. True Lies é um excelente game, mas é trabalhoso. Cada inimigo, e reforço, cada um deles são inteligentes e trabalhosos para derrotar. É diferente de um Contra, por exemplo, que apesar de difícil, matamos inimigos aos montes do mesmo jeito que destruímos naves em um jogo de navinha. Em True Lies é preciso saber o movimento do oponente, decorar seus pontos de ação e treinar bastante para prosseguir. O bom é que eles sempre aparecem nos mesmos locais e isso aliado à paciência e repetição, faz do jogo algo mais fácil e menos áspero, porém… ele é bem denso. As fases são bem densas, te obrigando a ir a um local e depois ter que voltar algumas telas só para pegar uma chave ou simplesmente para recuperar energia, e acredite, fazemos de tudo para manter o nível de energia altos.
O level design das fases também contribuem para essa densidade, são fases longas, e aliadas a inimigos que são bem chatos de vencer, faz de True Lies um excelente game, mas para quem tem muito tempo e paciência de sobra.



Unbound Saga tem uma arte incrível. O jogo é na verdade um clone de Comix Zone do Mega Drive, onde a relação do personagem e seu criador gera digamos… muitos atritos e baseado nisso temos animações como se estivéssemos dentro de um story board de um quadrinista, até a famosa mão que faz desenhos extras aparece aqui. Mas no PSP o jogo tentou sem sucesso trazer um arsenal de upgrades e coisas do tipo que os clássicos beat´n ups, os jogos de briga de rua possuem. Não deu certo. A gente fica perdido se tal upgrade serve para algo efetivo e qual a utilidade deles. Lamentável.
Outro fator crucial que ficou estranho é a física da engine do jogo. Muitas vezes latões pesadíssimos podem simplesmente flutuar em cima de algum personagem e bug´s de física modificando o peso e velocidade são constantes, o jogo não passa densidade nem confiança, e isso detona o gameplay. Poderia ter sido um belo jogo, já que possui um background artístico sensacional, um clima punk e dark de “fim do mundo” muito bem ambientado e muito bom humor escrachado mas… não foi desta vez, e eu parei de jogar por tédio. O jogo precisa "te enganar", te fazer acreditar que realmente você está naquele universo. Mas quando as leis definidas para atuarem dentro do jogo não funcionam, a magia acaba.
De todos os jogos apresentados aqui, este é o único que eu não recomendo, exceto se o leitor for um super fã do PSP e muito curioso sobre o portátil. Mas com certeza o PSP tem muita coisa melhor para jogar.

Os endereços abaixo também estão participando do OQVJ 2017.
Arquivos do Woo
Desocupado
MarvoxBrasil
Gamer Caduco
Gamerníaco
GebirgeBR
Jogatinas Saudáveis
Jornada Gamer
Locadora Resident Ivo
Old Magus Pub
QG Master
RetroPlayers
U-8Bits
Vão Jogar!
Videogames com Cerveja

Comentários

  1. Feliz 2018, cara! Suas postagens trazem gratas surpresas, achei curioso o Kenyuu Densetsu Yaiba do Game Gear. Passei batido por ele, olha que procurei muita coisa na biblioteca deste portátil, por essas e outras que é bom termos publicações assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Doc. Pérolas sempre aparecem, a biblioteca desses sistemas antigos são incríveis.

      Excluir
  2. Fala Ulisses,
    Sua lista é a mais diferente que li até agora e te falo que é assim que mais curto. Jogos totalmente desconhecidos ou que a galera dificilmente jogou e que no final acabam interessando em jogo. Maior surpresa foi sobre True Lies cara, quem iria que o jogo não era tão ruim assim?! Eu sempre imaginei esse jogo com uma BOMBA somente pela fotos e olha que eu tinha revistas com esse jogo (nem lia a matéria e só via as fotos hahaha!). Mas foi ótimo sabe dele e vou jogar, estou em uma fase de redescobrir jogos de SNES antigos e joga-los e jogar justamente esses que virei a cara.
    Eu fui conferir a Ação Games N 86 que você falou! Nossa cara, eu tinha ela! É a com a capa do Juiz Dredd hahaha! Eu não lembrava dessa revista e acabei parando aqui para ler ela e me lembrar dos bons momentos que vivia nesse época =)
    Adorei sua lista Ulisses, mas você jogou menos do que euz cara! Vamos jogar mais em 2018 se Deus quiser! Grande Abraço. Ivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente eu jogo os mais esquecidos mesmo. True Lies é muito criticado mas eu garanto que passando as primeiras fases a coisa fica bem interessante... e difícil. mas é um bom jogo sim. Valeu, Ivo. Grande abraço.

      Excluir
  3. Unbound Saga...
    Enfim encontrei mais um que também jogou essa "bombinha".
    Fui nesse jogo justamente pela direção artística e possível clima cyberpunk, mas rapidamente o gameplay me afastou do título.
    Uma pena, pois eu vejo muito potencial mal explorado / desenvolvido ali.

    Vou dar uma olhada nos seus posts do ano passado como um todo e volto para mais comentários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Potencial mal explorado, ótima definição Eduardo. O jogo é bem isso, infelizmente. Ainda bem que o PSP tem muitas opções além desse jogo esquisito. Abração.

      Excluir
  4. Nobre Ulisses, essa sua retrospectiva deu vontade de comer um pãozinho... hehe.

    Esse Formula One parece algo próximo de um ancestral de Gran Turismo. Muito interessante...

    O True Lies era um jogo bem falado por aqui na minha época. Não era muito lembrado e não cheguei a alugar mas eu me lembro que uma galerinha que morava perto da minha vó dizia que era um baita jogo... Sempre quis jogar esse aí.

    Os jogos que você escolhe sempre fogem do óbvio, muito bacana mesmo. Um feliz 2018 a você Ulisses. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria um Gran Turismo 8 Bits, gostei da comparação. É de fato um jogo bem mais denso que os corrida da época. True Lies tem muita gente que critica mas eu gostei dele. Obrigado, Lucas. Abração.

      Excluir
  5. excelente post.

    aqui jogando Valkyrie Profile traduzido para pt-br do ps1

    abç!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Scant. temos que aproveitar as traduções. Tem um pessoal que faz constantes traduções de roms antigas e isso é bem legal. Valeu.

      Excluir
  6. Ué...
    Meu comentário prévio sumiu...
    Anyway, finalmente encontrei alguém que também jogou Unbound Saga.
    Fui atraído fortemente pelo clima cyberpunk e pela direção de arte em geral, infelizmente a execução do jogo é doída.
    Boa lista e bons jogos, mister "8-bits".
    Vou dar uma bela olhada nos posts feitos ao longo de 2017 aqui no blog para conhecer melhor sobre o que jogou ao longo do ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os comentários estão caindo agora na moderação antes, mas assim que eu for vendo eu vou soltando eles, tranquilo. Esse jogo do PSP me enganou direitinho, tinha tudo para ser ótimo. Valeu, Eduardo.

      Excluir
  7. Muito legal esse ponto de trazer para a superfície jogos bem curiosos em cada sistema que passou, e bom saber que mais alguém jogou True Lies, hahaha!

    Tem a parte que fala da emulação e save state, e esses detalhes que vão de cada um é legal compartilhar. Também faço nesse estilo que você escreveu, eu vou anotando as fases que já passei, se é jogo de missão também anoto algum detalhe para não esquecer, e a diversão vai por aí.

    Ri muito do lance da LJN, como pode ter ficado tão marcada desse jeito. E no fim, o lado Super Famicom tem jogos muito legais pra curtir mesmo, tenho meus favoritos bem guardados pra quando a vontade aparece. XD

    Gostaria de ver você destrinchando jogos de PC-Engine.

    Grande abraço, Ulisses e um ótimo 2018 para você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. True Lies parece ser bem controverso mesmo. O save state depende muito do que o jogador espera do gameplay. Como eu tento resgatar ao máximo a experiência original eu estabeleço algumas regrinhas, mas isso vai de cada um. Eu conheço a "mitologia" em cima da LJN mas as vezes o pessoal exagera e como eu não joguei muitos jogos deste selo eu tenho cautela. O PC Engine é amor antigo. Valeu, Marvox.

      Excluir
  8. Eu joguei não muitas coisas no ano passado, entretanto bem no final de 2017 eu joguei um game de Pc (Steam) chamado Doki Doki Literature Club, foi umas das melhores experiências que tive com games (isso porque eu joguei Breath of the Wild também ano passado).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa coisa de descobrir jogos novos é sensacional. Que bom que um jogo despertou isso em você. Sempre tem algum jogo que acaba surpreendendo a gente. Valeu, Alex.

      Excluir
    2. Sim, é sempre bom descobrir um game bom... uma vez eu joguei um game chamado Ninja Cop (GBA) um excelente game, entretanto quase ninguém fala sobre ele, eu fiquei chocado em ver que poucas pessoas sabiam desse título, agora sempre que posso eu recomendo esse game para as pessoas, então é bom poder compartilhar esses games, principalmente hoje que existem diversos indies e talvez seja difícil para eles se destacarem.

      Excluir
    3. Acho que o pessoal conhece mais por Ninja Five, eu mesmo não lembrava do nome Cop. Mas o jogo em si é uma ótima pedida. O que atrapalha um pouco o GBA são seus mega clássicos que acabam ofuscando vários outros jogos bons.

      Excluir
  9. Muita viagem o jogo do gorbachev. True lies parece ser muito bom e o unbound saga eu lembro do hype alguns anos atrás quando foi anunciado e nunca mais tinha ouvido falar dele, bem acho que agora eu entendi o motivo hehe.

    Fiquei curioso sobre o Kenyuu Densetsu Yaiba e fui atrás de imagens no google, acabei vendo essa versão de snes.
    http://lunaticobscurity.blogspot.com.br/2015/07/kenyuu-densetsu-yaiba-snes.html

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas surpresas, é que talvez pela facilidade de jogar rapidamente qualquer rom a gente acaba deixando de lado grandes jogos sem querer. Essa versão de Super Nintendo nunca joguei. Valeu.

      Excluir
  10. Eu tentei mandar uma mensagem sobre ter me chamado atenção o jogo de Game Gear, mas até agora o comentário não apareceu. No mais esse blog sempre traz algo bacana para conhecer. Bom 2018!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo tranquilo, Doc. Os comentários estão caindo em moderação antes. Conforme vou vendo eu libero eles. Grande abraço, Doc.

      Excluir
    2. Também se quiser trocar uma ideia tu pode entrar no grupo do discord que eu fiz pro meu blog. Quero reunir gente que curta jogar games clássicos ou que traga assuntos interessantes.

      https://discord.gg/Ptds5Rb

      Excluir
  11. Velho Ulisses *8bits de guerra XD O que eu mais gosto mesmo nesses memes é de saber quem é que tá na ativa ainda =) e é uma satisfação ver um cara tão das antigas como vc ainda escrevendo nesse mundão cheio de vídeos.
    Bela lista cara, de todos os citados o que me deu mais vontade de jogar foi o Unbound Saga! Depois que li fiquei parado olhando e imaginando o protagonista xingando o ilustrador hauhauhuauh XD vou procurar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O jogo em si não é ruim e como os erros que eu falei são aleatórios porém reais, é possível que dependendo da sorte do jogador os errinhos nem apareçam tanto, mas é preciso saber que eles existem. Jogue mas jogue com o coração aberto e paciência. Eu gosto de memes assim porque ajudam a descobrir novos blogs, eu mesmo achei vários blog´s através deste meme em edições anteriores. Valeu, Sabat.

      Excluir
  12. Pô, bacana que participo do Meme, Mr Dactar. Só vai ter que me aguentar fazendo o comentário ridículo de todos os jogos da sua lista e com nomes zoados de alguma forma, pq eu sou besta o suficiente pra fazer isso em quase todos os participantes (não vou causar nos que não me conhecem e não sabem que eu sou praticamente um pateta escrevendo). Enfim...
    [PrimeiraFormula]: Parece interessante, mas vou deixar passar pelo tamanho do meu backlog retrô! rs
    [GambaGordo]: Não que eu conheça muita coisa do Game Gear, mas esse pra mim é total desconhecido. Vou esperar o seu post me convencer a jogar ele! kkkk
    [KennyG]: Como eu tô no time dos que libera o uso de save state em telas de password (e, em alguns casos, em paradas estratégicas: infelizmente já não conto com a mesma sequencia de horas pra videogame que contava na época dos jogos - embora tenha evitado tudo isso desde que liguei o hardcore mode dos retroachievements no raspberry pi... cacete que parênteses gigante), eu até que me interessei em tentar esse aí. Jogo parece bem bonitão. Será que tem alguma ROM traduzida?
    [JogoPervertidoJaponês]: Jogo de luta tem que ter mecânica muito bem definida e muito bem explicada. CPU apelona que faz o que não dá pra fazer com os controles pra mim é forte indicador que vou largar o jogo em minutos. Isso tudo que vc falou aí já me desanimou um bocado, mas legal saber da existência do game.
    [AMentiraVerdadeiaOuAVerdadeMenteOuNadaDissoAconteceFeijoada]: Curioso que, mesmo com todos os indicadores (e eu não posso discordar de nenhum deles! kkkk), o jogo parece divertido. Só não vou jogar por não curtir os top-down da vida, inclusive o próprio Hotline Miami que vc citou. Sim, eu sou um herege.
    [BondeDoSagaDeGemeos]: Putz, mais um caso de "a intenção foi boa, só faltou acertar". Que pena! Puta potencial jogado no lixo.
    Bela lista, meu caro! Ótimas dicas do que jogar e do que passar longe! rs
    Anotei alguma coisa aqui na listinha do ano, vamos ver o que consigo encarar em 2018! XD
    Valeu Ulisses!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeira Formula é bem específico mesmo, Cadu. Que isso, seu estilo é ótimo, eu também faço umas piadas com nomes de jogo de vez em quando. Alguns títulos "pedem" uma zoeira. Me chamou atenção a questão dos jogos de visão de cima. Eu gosto deles mas é preciso me conquistar antes, diferente de um navinha ou plataforma que mesmo antes de jogar eu já estou gostando. Entendo seu ponto. Valeu pela visita, Cadu. Grande abraço.

      Excluir
  13. Que bacana parece ser o Formula One. Sou fã de jogos que, apesar de não se categorizarem como simuladores, pesam a mão na parte de simulação. Agora que você já me fez ir atrás de um emulador, tenho medo de não voltar mais pra Steam haha
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Formula é bem específico mesmo. Exige mais do que diversão instantânea. É preciso fazer muitas coisas. Essa dúvida entre jogar o novo e o clássico é um "binômio" que inferniza muitos jogadores. Mas é um problema gostoso. É como ter que escolher entre duas sobremesas. Valeu, Rodrigo. Abração.

      Excluir

Postar um comentário

Por enquanto todos os comentários serão moderados. Em breve o blog voltará ao normal.