sábado, 12 de maio de 2018

Charlie Ninja - Arcade


Charlie Ninja - Arcade


Charlie Ninja é um plataforma de arcade que parece uma fusão entre Sunset Riders Metal Slug. Sunset porque possui o aspecto no traço bem no estilo desenho animado e extremamente colorido. Além disso a primeira fase possui um tema faroeste com humor que lembra bastante o clássico da Konami. Aliás, parece até mesmo uma fase "bônus" de Sunset Riders a primeira fase de Charlie Ninja. O jogo possui 5 fases no total e cada uma possui um tema específico (com forte influência da cultura americana) com um chefe de fase específico também. Para não perder a linha de raciocínio de "cópia" ou "inspiração", todos os chefes também aparecem em cartazes do tipo "Wanted" da mesma forma que aparece em Sunset Riders.





Eu lembrei também de Metal Slug por outro lado porque Charlie Ninja apresenta um humor bem parecido com a do game. Inclusive com animações exageradas e até mesmo escrachadas lembrando o estilo de charges fazendo piada de vários "tipos" que tanto o cinema quanto a animação usa e abusa constantemente.

Outro fator é a reação cômica dos personagens. Veja por exemplo na segunda fase, que ocorre dentro de um tema de soldados e guerra, temos a imagem de um tanque de guerra que lembra muito os tanques que aparecem em Metal Slug. Essa minha comparação de Charlie Ninja com os outros mega clássicos dos arcades ganha um toque especial se a gente for ver o ano de lançamento destes jogos. Sunset é de 1991. Charlie é de 1994. Até aí tudo certo. Mas Metal Slug é de 1996!

Obviamente o jogo não pode se inspirar em Metal Slug porque ele simplesmente não existia em 1994, logo temos uma "virada de jogo" aqui. É possível que o clássico do Neo Geo tenha se inspirado neste jogo pouco conhecido dos arcades? Não sei. Mas é possível. Se o amigo leitor der uma olhada e comparar os dois tanques. Charlie Ninja vs Metal Slug. Chega a dar arrepios pela semelhança.

o "Rambo" aí da imagem é só um dos vários personagens inspirados na cultura americana


As fases percorrem temas bem usados da cultura norte americana. Faroeste, Estádio de football, cidade noturna à moda Streets of Rage, e claro, o grande laboratório e música hi-tec para decorar a fase final... há claro, já ia esquecendo, tem também a segunda fase que o tema é "Metal Slug", com seus soldados e carros de combate.

A movimentação do ninja é muito boa. Aliás a jogabilidade aqui é ótima. São 2 botões. Um ataque e outro pula. Na tela de intro aprendemos que além disso podemos apertar simultaneamente os dois para ficar "invisível", imune por alguns segundos aos ataques da tela. Mas como tudo aqui tem uma bela animação humorística, o ninja também faz uma que lembra um pouco os soldados de Metal Slug quando são libertados. Ok, prometo parar de fazer comparações. Vamos ao game.



Facas, estrelinhas, e power ups que aumentam a força dos tiros, estão espalhados pelo jogo. Ao destruir oponentes esses itens eventualmente aparecem, além da icônica forma de coração que recupera nossa energia. 3 corações, e esse é o limite.

O jogo é difícil? Não. Para os padrões dos arcades acho que não. É apelativo? Sim. Mas depois que se pega o jeito, o excesso de personagens querendo de matar fica até divertido pois podemos ganhar itens quando destruímos eles. O jogo é curto, muito curto. O tamanho das fases é bem pequeno e existe outro fator que limita mais ainda isso. Quando perdemos uma vida, voltamos de paraquedas à tela e durante a queda (estamos invencíveis), podemos deslocar o voo para a direita fazendo a tela correr e ganhando muito mais espaço, podendo reduzir ainda mais o encontro com o chefe de fase. Isso pode ser legal para quem quer zerar pela primeira vez, mas é um tipo de "cheat", que empobrece o gameplay e diminui muito o fator rejogabilidade.

Uma coisa estranha é justamente em relação aos golpes. Olha só. Na tela de intro, como em outros games de arcade, temos um breve tutorial de como os comandos funcionam. O jogo ensina apenas 3 movimentos. Pular e dar o double jump, atacar, e desaparecer ao apertar os dois botões de ação simultaneamente, porém durante minha primeira jogatina, sem querer "soltei" um shoryuken! Seria um especial devido a algum item pego sem querer? Negativo. O jogo realmente possui mais golpes! Pelo que pude descobrir são mais dois. O shoryuken que se faz da mesma forma que se faz em Street Fighter, e o golpe giratório, que sai ao soltar uma "magia". O primeiro é bem difícil de fazer, mas o giratório é mais tranquilo.





O jogo é de 1994. O Brasil foi tetracampeão de futebol em 1994. Qual a relação? Nenhuma. Exceto nos créditos finais do jogo que temos um tal de "Viva Romario" entre outros nomes e apelidos. Acho que tínhamos um fã dentro da equipe de desenvolvedores.

É difícil tentar entender o "enredo" ou a lógica dos acontecimentos no jogo. Na tela de intro aparecem os dois ninjas mirins indo para um bairro periférico para lutar com a imagem estampada de uma megalópole ao fundo. Daí entramos no jogo, passamos por fases das mais diversas e sem uma linha que costure elas, parecem todas fases avulsas, embora tenham como pano de fundo a cultura "pop" americana. Depois ao finalizar voltamos a ver a tal megalópole... salva? Vai saber. O jogo não tem textos. É um jogo simples, básico, curto e apesar de bem feito, não conquista o jogador a voltar nele.

Esse jogo é um excelente fast food. Com ênfase no "fast". Ele é divertido, colorido, ótima jogabilidade, mas infelizmente muito curto e simplista. A semelhança com Sunset Riders e Metal Slug fica apenas na aparência. Na essência, Charlie Ninja é bom mas deixa muito a desejar se comparado aos grandes jogos deste gênero.

4 comentários:

  1. A estética me lembra Ninja Baseball Batman, um beat n' up pra fliperama com alguns personagens parecendo do Mundo Canibal. Deve ser divertido jogá-lo. Não parece memorável, mas quem for esbarrar com ele talvez se divirta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma diversão rápida mesmo, Doc. Aliás tem também outro game que é de Neo Geo que lembra também. O Spin Master. Mas este é bem mais "robusto", tem historinha e é melhor costurado que CN. O NBB, eu já joguei um pouquinho e achei bem divertido também. No arcade é sempre uma surpresa, tem jogo de todo tipo. Mas em geral os briga de rua são bons, mesmo que curtos. Abração, Doc.

      Excluir
  2. ótima pedida para descansar depois de um dia cansativo.

    quando olhei pensei no metal slug, ainda bem que você esclareceu.

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem jogos que expressam com tanta força a semelhança que quase de imediato, a gente que conhece os clássicos, vai associar a eles. Quando vi pela primeira vez fiz a mesma coisa. Leve e divertido, ótima pedida para relaxar. Abração, Scant.

      Excluir