F1-2000: Playstation 1



F1-2000 para Playstation traz gráficos de ponta para o console, mais a assinatura da EA Sports e o selo oficial da FIA. F1-2000 traz ao Playstation o máximo em fórmula 1.

Os esportes de uma geral representam uma fatia bem definida do público que joga videogame hoje em dia, mas lá nos tempos de Mega Drive por exemplo, isso não era tão dividido assim e eventualmente a gente jogava aquilo que estava disponível sem fazer manha para um estilo ou gênero específico.

Jogos como International Super Star Soccer, simuladores de caça F-15, jogos de basquete ou de formula 1, eram jogados muitas vezes em uma mesma sessão de jogatina onde tínhamos um Mega Man 2 ou Streets Of Rage bem ao lado do console. Foi uma fase onde estava tudo meio que misturado, sem falar que games de futebol ou corrida estavam mais para o lado arcade de jogabilidade (sem respeitar a física real de movimentos e detalhes) e não tinham a capacidade técnica de serem super realistas. Embora a pretensão de se fazer um jogo super realista sempre esteve presente nestes tempos de pixels.

Eu lembro que quando joguei pela primeira vez Super Monaco GP do Mega Drive eu fiquei estático! O game trazia logo de cara uma imagem real digitalizada de uma modelo na tela de apresentação... imagem digitalizada, isso era o máximo na época, quer dizer a gente nem pensava que um console poderia representar uma imagem real na tela, era bem por aí o nível do grafismo da época. Um tempo anterior ao Super Nintendo.




Mas não apenas isso, o som e as imagens in game faziam de Super Monaco GP algo sobrenatural para um jogador típico de Nintendo clones como era o meu caso. Foi a primeira vez que tive vontade de jogar um game de corrida por realmente representar uma corrida, ser competitivo.

Lá no Nintendo ou Master System os games que tive contato deste estilo eram tão simples que não davam a sensação de velocidade e coisas típicas de um game de formula 1, mas a partir do Mega Drive as coisas começaram a ficar bem profissionais.

F1- 2000 do Playstation segue a mesma receita e com muito mais realismo obviamente. Este game saiu já na fase madura do Playstation e isso significa que os recursos do console foram utilizados ao máximo, além disso, estamos falando da assinatura da Eletronic Arts com desenvolvimento da Visual Sciences, é um jogo "de marca", com os direitos oficiais e já com todo o know how do Playstation 1 bem estabelecido, não eram experiências lá do início de 1994/5, F1-2000 é um jogo que saiu consolidado.

Eu não joguei na época mas vendo ele hoje em dia, seus gráficos não ficaram feios como acontece com alguns games de Playstation 1, principalmente os de esporte. Basta ver as primeiras versões de jogos de futebol e comparar com outros do Playstation 2 é uma diferença brutal. Talvez representar pessoas seja uma tarefa mais difícil do que representar asfalto e carros de corrida, pode ser isso também.

Embora F1-2000 traga o tradicional easy, medium e hard. Existe tantas outras modificações e configurações que é possível fazer que os modos de jogo em si ficam como algo secundário. É possível correr todas as voltas como em um jogo real, ou ficar com 8 ou 4 voltas apenas por GP. Também é possível fazer as tradicionais modificações de pneu, suspensão, parte frontal e traseira etc.

O ponto forte do game é simular a sensação de estar dentro de um campeonato. Coisas estranhas começam a acontecer com você durante as partidas no decorrer dos GP´s. Coisas como por exemplo decorar o traçado de cada GP, escolher e formular estratégias como se estivesse jogando um jogo de plataforma, isto é, onde devo acelerar... onde devo parar, e até mesmo pegando medo ou raiva de pontos e curvas específicas de determinada corrida!




É estranho porque sem querer estamos pensando como um piloto profissional, mesmo que sendo um "faz de conta" com um controle nas mãos, mesmo assim, essa emulação da vida real age de forma natural e automaticamente vai ganhando corpo e conteúdo.

Quanto mais a gente corre, mais a gente se envolve com a competição e estranhamente mais a gente vai adquirindo as manhas, medos e prazeres de um piloto real. Um momento de notável prazer é por exemplo descobrir que é possível "riscar" uma curva pequena, apenas passando reto sem frenar, e de repente aparece a tag na tela mostrando que você "tirou" 0.800 segundos do líder. E isso acontece o tempo todo. Quanto mais a gente corre em uma pista, mais fácil é descobrir manhas e formas de acelerar ao máximo antes de ter que reduzir.

É como se fosse um grande castelo de cartas, cada corrida, cada Gran Premio só é conquistado quando termina as voltas, digo isso porque não importa se estamos nas curvas iniciais no na última curva... basta um erro bobo que seu carro pode rodopiar e colocamos tudo à perder!

Essa adrenalina mantém seu respeito e medo em cada aceleração e em cada curva, não importando se estamos em 16º ou em 1º lugar. O jogo e a tensão só acabam na bandeirada, até isso acontecer não podemos tirar o dedo do botão ou se distrair. É diferente se estamos em um jogo de plataforma ou um RPG onde temos momentos de reflexos e momentos "largos" para descansar. Eu ouso a dizer que um jogo de F1 é mais intenso do que um bullet hell de navinha, veja bem, intenso, não mais difícil, porque mesmo em jogos de navinha nós temos manhas de ficar em algum ponto da tela só atirando,

Sem falar que existe uma flutuação nos tiros e inimigos na tela, mas em um jogo de F1, não. Começou é para ir até o fim, um descuido e pode ser fim de prova. Neste game não temos aquele mapinha com o desenho da pista inteira na parte superior direita da tela, e sem aquilo, é complicado, é bem mais real mas deixa a gente sem referência.




Chega a um ponto em que eu deixo o carro que estava em segundo lugar passar, em determinadas pistas, simplesmente para que o líder sirva como uma referência para eu saber onde devo frenar em curvas mais fechadas. tem pistas que possuem um desenho que é mais difícil memorizar, por isso eu cedo a liderança em algumas pistas mais traiçoeiras para poder correr mais tranquilo.

Eu não sou um fã de fórmula 1, assistia na Globo aos domingos como a maioria das pessoas. Sou do tipo, digo, eu era do tipo de espectador casual. Depois que o Ayrton Senna bateu naquele domingo de 1994 o meu ânimo foi aos poucos diminuindo para assistir corridas. Foi perdendo a graça. Tenho certeza que para quem é fã do esporte esse tipo de coisa não aconteceu.

Mas mesmo não sendo um fã do gênero vários detalhes fazem a diferença e encantam nesta versão de F1- 2000 para Playstation, como por exemplo as ondulações do ar quente na largada, quer dizer, um pouquinho antes da largada com os motores "gritanto" é possível ver as ondulações do ar quente que sobe do motor. Bem parecido quando vemos a estrada no horizonte de um dia muito quente e percebemos o ar se movendo. É muito bonito e realista!

Outra coisa que eu só percebi lá nas últimas provas é que o disco interno do freio fica avermelhado pela alta temperatura quando frenamos bruscamente para reduzir uma alta velocidade. O atrito gerando calor ao ponto de avermelhar os discos de freio é algo muito legal, sensacional!

Mais uma. Os efeitos de luz e reflexo na chuva são sensacionais, e a imagem do vapor de água subindo da traseira dos carros em contato com a chuva é muito legal, é uma água pixelizada é bem verdade, mas estranhamente traz toda a sensação de estar correndo em pista molhada.




Os efeitos sonoros são simplesmente supremos, principalmente quando estamos "perseguindo" um carro e de repente o mesmo estoura o motor, uau!, tanto o efeito do estouro do motor é agressivamente rude e realístico como também o elemento surpresa do game entra em ação nestas horas, a gente nunca sabe quando um carro vai "fritar" ou quando um companheiro simplesmente vai ficar parado sem saber o que fazer. Como no caso de algumas largadas onde um ou dois carros simplesmente não saem do lugar.


Os detalhes técnicos aliados a todo o clima de imprevisibilidade faz de F1-2000 um excelente jogo de corrida, que vale à pena conhecer mesmo não gostando de fórmula 1.


Comentários

  1. Joguei poucos games de fórmula 1, ora na veia do Monaco GP, ora no F1 Spirit da Konami com aquela visão do topo e controle nojento. Esses jogos muito aclimatados nas convenções reais perdem um pouco a graça.

    Gosto de coisas mais viajadas, tipo corrida ilegal, policiais caçando foras da lei, corridas futuristas, afinal é um jogo eletrônico, extrapolar nas coisas soa coerente. Quando tirar paciência pra jogar coisas temáticas, tipo games de F1, eu vou checar esse. Gosto sempre desses registros de coisas mais despercebidas, até pra ter referência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. F1 é apenas a ponta do iceberg Doc. Mesmo puxando pro lado real, é um real onde existe um desafio e uma competição plena. Você já deve ter visto o pessoal que usa jogos como Flight Simulator, o pessoal equipa com manche e poltrona e passam horas "pilotanto" a aeronave. Imagine só. Aquilo não é competição, e não é um desafio de videogame em si, é apenas um software simulando a viagem de um avião cortando dois pontos no mapa. Eu até entendo o tesão do cara em ser um piloto "real" em condições próximas da real, mas mesmo assim eu acho esquisito. É bem diferente de passar horas em um RPG ou jogo de tiro/ação. Vai entender esse pessoal kkkkkkkk

      Excluir
  2. Tb prefiro corridas futuristas, a exceção foi need for speed.
    Ótimo post! Abc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corridas futuristas? Anotado. F-Zero do Super Nintendo vai entrar pra minha gamelist.
      :)

      Excluir
  3. Caramba, eu não lembrava deste jogo! Mas joguei na época, achei ele muito foda graficamente, em qualidade e... em dificuldade! Eu lembro que não conseguia muita coisa nele, mas eu sempre fui meio tosco em simuladores. Meu negócio é jogar jogos mais arcade e bastante irreais (aqueles que a gente faz a curva riscando o guard-rail inteiro e tá tudo bem). Mas eu realmente não me lembrava deste jogo, sinceramente.
    Nem reparei nos detalhes de discos de freio, interessante!
    Também nunca fui o maior fã de corridas, tô na média que assistia por causa do Senna e parou de ver quando este deixou de participar por conta de forças maiores.
    O que mais gostei do seu texto foi a passagem onde a gente não tinha frescura em outros tempos. E é verdade, a gente jogava de tudo um pouco! Legal que eu lembro que até mesmo coisas que eu não gostava eu jogava quando em galera pra fazer parte da brincadeira. A gente não vê esse tipo de coisa nos dias de hj. E tem gente que ainda tenta criticar o passado da forma mais negativa possível, como se não tivesse as coisas boas da época (e eram muitas). Que triste!
    Bom, vamos manter a nostalgia viva! Da-lhe ano 2000! \o/
    Valeu Ulisses, belo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter jogos a disposição não era tão fácil. E a gente estourava o estoque pessoal rapidamente, o nosso e de nossos amigos. Acho que esse tempo de vacas magras para achar jogos pros consoles de certa forma fortalecia a gente. Todo jogo era pra ser jogado, sem distinção. Não é à toa que as locadoras fizeram história, elas eram o nosso refúgio!
      É interessante pensar que mesmo no PS1 temos coisas que valem à pena perceber, como o caso dos discos de freio, eu adorei ver aquilo!
      Valeu Cadu!

      Excluir

Postar um comentário